Notícias
Entrevista
Editorial
Video
Seniors Brasil
Home » Notícias

185 crianças já participam do projeto Química do Esporte II em Mauá

Enviado por - 9 de novembro de 2016 – 7:53Nenhum Comentário
Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Projeto ensina tênis aos alunos da Escola Municipal Professora Terezinha Leardini Branco e às crianças da comunidade do Jardim Zaíra

Mauá, 9 de novembro de 2016 – Em execução há pouco mais de um mês, o projeto Química do Esporte II já conta com 185 crianças tendo aulas de iniciação esportiva de tênis, na cidade de Mauá, na região metropolitana de São Paulo.

Realizado pelo IPDA (Instituto Paulista do Desporto Amador), o Química do Esporte II conta com o patrocínio da Braskem, por meio da Lei Paulista de Incentivo ao Esporte da Secretaria de Esporte, Lazer e Juventude do Estado de São Paulo.

“O IPDA acredita no esporte como transformador de realidades.
Não só isso, o IPDA se utilizada do esporte como ferramenta de inclusão social. E os primeiros resultados já nos mostra que estamos no caminho certo”, afirma Marcelo Rezende, presidente do IPDA.

É um projeto que visa fomentar o esporte como ferramenta de inclusão social através do tênis, com aulas ministradas por profissionais capacitados durante o turno escolar. O tênis de quadra é ensinado através de metodologia moderna, com uso de materiais lúdicos e adaptados (Pré-Tênis).

O Química do Esporte II atende alunos de 6 anos da Escola Municipal Professora Terezinha Leardini Branco e crianças de 8 a 12 anos da comunidade do Jardim Zaíra.

As aulas de tênis acontecem na quadra coberta da escola, sempre às terças e quintas, em dois períodos, das 8h às 12h, e das 13h às 15h. As crianças recebem uniformes e reforço alimentar (kit lanche).

“Trabalhamos com crianças na primeira infância, dando ênfase no brincar, através de materiais didáticos e adaptados que contemplam o projeto. A partir dos 10 anos, as crianças já são capazes de entender as estratégias e regras do tênis que vão sendo apresentadas a elas durante as aulas. Paralelamente a isso, começamos a discutir sobre a ética do jogo e, de forma moderada, iniciamos o trabalho com o desenvolvimento das habilidades”, destaca Ricardo Júlio Amaro, gestor do projeto.

Daniela Giuntini

Deixe um comentário!

  • RSS
  • Facebook
  • Twitter